Petrobras ignora crise e entrega pré-sal nesta quinta-feira (7)

Temer ignora crise e preços abusivos dos combustíveis

Escrito por: Luciana Waclawovsky, especial para Portal CUT • Publicado em: 07/06/2018 - 11:34 • Última modificação: 07/06/2018 - 11:37 Escrito por: Luciana Waclawovsky, especial para Portal CUT Publicado em: 07/06/2018 - 11:34 Última modificação: 07/06/2018 - 11:37

O ilegítimo e golpista de Michel Temer (MDB-SP) entregou o pré-sal brasileiro nesta quinta-feira (7), na 4ª Rodada de Partilha da Produção do Pré-Sal, realizada no Rio de Janeiro. As estrangeiras Shell, ExxonMobil, Chevron, BP Energy, Petrogal, Statoil (estatal norueguesa) foram as vencedoras. 

Enquanto o governo comemora a presença de 16 grandes petroleiras estrangeiras para participar da licitação, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) denuncia que o pré-sal a ser leiloado é de altíssima qualidade.

“Em estudo, o Dieese [Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos] constatou que são campos muito promissores, com óleo de alta qualidade e com o preço do barril saindo em torno de R$ 0,23 para quem for comprar”, explicou Simão Zanardi, coordenador-geral da FUP.

“O bônus que está sendo dado ao governo brasileiro é baixíssimo, ou seja, é um negócio da China para quem ganhar a licitação”, completou.

Nesta rodada, o governo ofereceu as áreas de Itaimbezinho - consórcio vencedor ExxonMobil, Petrogal, Statoil (estatal norueguesa) e Três Marias - vencedoras Chevron e Shell, na bacia de Santos. E a Dois Irmãos consórcio vencedor Statoil e BPN Energy, e Uirapuru, na bacias de Campos.

A licitação deu prosseguimento ao calendário de privatizações, mesmo após a crise nacional gerada a partir da paralisação de mais de sete dias dos caminhoneiros e da greve de advertência dos petroleiros, que exigem mudanças na política de preços dos combustíveis e do gás de cozinha.

 

Em entrevista à imprensa, o presidente da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Felipe Kury, disse estar bastante otimista com o leilão, menosprezando a convulsão social causada pela exploração que a política de preços adotada por Pedro Parente, ex-presidente da companhia, provocou em todo o país, ocasionando prejuízos econômicos tanto no bolso da população quanto na indústria e comércio.

Para Simão Zanardi, esse leilão significa, mais uma vez, que o governo ilegítimo de Temer está cometendo um crime contra a soberania nacional e que não mudou em nada a política entreguista.

“Saiu [Pedro] Parente e entrou Ivan [Monteiro, que assumiu a presidência da empresa], mas a política de privatização da Petrobras e do petróleo brasileiro ainda continua”, lamentou o dirigente.

“A atual gestão da Petrobras está vendendo ao mercado internacional um petróleo que vai fazer falta ao Brasil. A entrega dessa reserva está condenando gerações futuras a não poder desfrutar da riqueza desse recurso natural que descobrimos e detemos aqui no país.”

Zanardi explica, ainda, que existem poços de petróleo brasileiros que chegam a extrair 40 mil barris/dia e que a atual gestão está sabotando as refinarias nacionais. “Um poço só é quase a produção de um país inteiro como a Itália. Se o Brasil está exportando esse petróleo [óleo] e importando gasolina e diesel é porque está deixando nossas refinarias ociosas e exterminando a produção nacional”, comparou.

“Estamos vendendo petróleo para depois exportá-lo, isso significa exterminar com a produção nacional. Estamos vendendo óleo e comprando o derivado: voltamos ao colonialismo dos tempos de Fernando Henrique Cardoso”, pontuou.

Segundo ele, o Brasil já demonstrou que tem condições de produzir os derivados aqui no País por um preço bem menor do que hoje está sendo oferecido pela Petrobras. “Os governos Lula e Dilma mostraram que isso é possível.”

Título: Petrobras ignora crise e entrega pré-sal nesta quinta-feira (7), Conteúdo: O ilegítimo e golpista de Michel Temer (MDB-SP) entregou o pré-sal brasileiro nesta quinta-feira (7), na 4ª Rodada de Partilha da Produção do Pré-Sal, realizada no Rio de Janeiro. As estrangeiras Shell, ExxonMobil, Chevron, BP Energy, Petrogal, Statoil (estatal norueguesa) foram as vencedoras.  Enquanto o governo comemora a presença de 16 grandes petroleiras estrangeiras para participar da licitação, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) denuncia que o pré-sal a ser leiloado é de altíssima qualidade. “Em estudo, o Dieese [Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos] constatou que são campos muito promissores, com óleo de alta qualidade e com o preço do barril saindo em torno de R$ 0,23 para quem for comprar”, explicou Simão Zanardi, coordenador-geral da FUP. “O bônus que está sendo dado ao governo brasileiro é baixíssimo, ou seja, é um negócio da China para quem ganhar a licitação”, completou. Nesta rodada, o governo ofereceu as áreas de Itaimbezinho - consórcio vencedor ExxonMobil, Petrogal, Statoil (estatal norueguesa) e Três Marias - vencedoras Chevron e Shell, na bacia de Santos. E a Dois Irmãos consórcio vencedor Statoil e BPN Energy, e Uirapuru, na bacias de Campos. A licitação deu prosseguimento ao calendário de privatizações, mesmo após a crise nacional gerada a partir da paralisação de mais de sete dias dos caminhoneiros e da greve de advertência dos petroleiros, que exigem mudanças na política de preços dos combustíveis e do gás de cozinha.   Em entrevista à imprensa, o presidente da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Felipe Kury, disse estar bastante otimista com o leilão, menosprezando a convulsão social causada pela exploração que a política de preços adotada por Pedro Parente, ex-presidente da companhia, provocou em todo o país, ocasionando prejuízos econômicos tanto no bolso da população quanto na indústria e comércio. Para Simão Zanardi, esse leilão significa, mais uma vez, que o governo ilegítimo de Temer está cometendo um crime contra a soberania nacional e que não mudou em nada a política entreguista. “Saiu [Pedro] Parente e entrou Ivan [Monteiro, que assumiu a presidência da empresa], mas a política de privatização da Petrobras e do petróleo brasileiro ainda continua”, lamentou o dirigente. “A atual gestão da Petrobras está vendendo ao mercado internacional um petróleo que vai fazer falta ao Brasil. A entrega dessa reserva está condenando gerações futuras a não poder desfrutar da riqueza desse recurso natural que descobrimos e detemos aqui no país.” Zanardi explica, ainda, que existem poços de petróleo brasileiros que chegam a extrair 40 mil barris/dia e que a atual gestão está sabotando as refinarias nacionais. “Um poço só é quase a produção de um país inteiro como a Itália. Se o Brasil está exportando esse petróleo [óleo] e importando gasolina e diesel é porque está deixando nossas refinarias ociosas e exterminando a produção nacional”, comparou. “Estamos vendendo petróleo para depois exportá-lo, isso significa exterminar com a produção nacional. Estamos vendendo óleo e comprando o derivado: voltamos ao colonialismo dos tempos de Fernando Henrique Cardoso”, pontuou. Segundo ele, o Brasil já demonstrou que tem condições de produzir os derivados aqui no País por um preço bem menor do que hoje está sendo oferecido pela Petrobras. “Os governos Lula e Dilma mostraram que isso é possível.”



Informativo CUT PE

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.